ESPETÁCULOS

TRAGICOMÉDIA DE DOM CRISTÓVÃO E SINHÁ ROSINHA
Sinhá Rosinha quer casar, mas, como enfrentará o autoritário pai, o prepotente dom Cristóvão, o ex-namorado e seu apaixonado pretendente? Como escapará de um casamento forjado pelo dinheiro e viverá o seu amor desimpedido? Como diz sinhá Rosinha: “que se dane seu dinheirinho eu quero é o amor!”. Uma farsa que exalta os valores como a independência, a arte e o amor.


Ficha técnica
Adaptação do texto de Federico Garcia Lorca
Direção: Fernando Cruz
Direção musical: Jonas Feliz
Atuadores: Ariela Barreto, Fernando Cruz, Fran Corona, Moreno Mourão e Renderson Valentim
Figurino, cenografia, adereços e maquiagem: Ghva
Arte : Thiago Silva/Najom
Registro audiovisual: Cátia santos
Fotografia: Diogo Gonçalves/Ateliê Passarinho
Realização : Teatro Imaginário Maracangalha
Comparsas: Rede Brasileira de Teatro de Rua (RBTR), Najom, Ateliê Passarinho, Associação Miguel Couto, Degrau Estúdio, BRASA Comunicação, Teatral Grupo de Risco, Circo do Mato e Flor & Espinho Teatro
Investimento – FCMS –Prêmio Rubens Correa de Teatro 2014

Espetáculo na integra








AREÔTORARE
O verbo negro e bororo do índio profeta
O espetáculo de rua revisita as obras "Areôtorare" (1935) e "Sarobá" (1936) do escritor modernista Lobivar Matos, nascido em Corumbá (MS), aborda as relações humanas e sociais do seu tempo. Desta forma, questões como desigualdade, preconceito e desenvolvimento econômico são desveladas sob a ótica dos trabalhadores, índios e negros que até hoje "refletem os anseios, as revoltas, as durezas amargas da época e do meio em que vivem" (MATOS, L.).

Ficha técnica
Direção e dramaturgia: Fernando Cruz  
Texto: Poemas das obras "Areôtorare e Sarobá" de Lobivar Matos  
Encenação: Fernando Cruz e o grupo  
Elenco: Fran Corona, Fernando Cruz, Ariela Barreto, Moreno Mourão e Renderson Valentim  
Pesquisa: Salim Haqsan, Fernando Cruz e Rogéria Castro Costa  
Preparação e Direção musical: Jonas Feliz 
Preparação Vocal: Maria Cláudia  
Adereços: Patrícia Rodrigues e Lício Castro  
Figurino: o grupo | Costuraria: Maria Viveiros  
Assessoria de Imprensa: Brasa Comunicação  
Produção: Ana Capilé, Rogéria Castro Costa.





Fotos de Everson Tavares (Pyro)



TEKOHA 
Ritual de Vida e Morte do Deus Pequeno
O espetáculo narra a trajetória do líder guarani Marçal de Souza e sua resistência histórica na luta pela terra e direitos dos povos indígenas. A palavra que dá nome ao espetáculo, Tekoha, tem um significado peculiar. “Teko” significa modo de estar, sistema, lei, hábito, costume. Tekoha, assim, refere-se à terra tradicional, ao espaço de pertencimento da cultura guarani. É no Tekoha que os guaranis vivem seu modo de ser. O Teatro Imaginário Maracangalha faz da rua a representação tão sagrado aos guaranis.

Direção: Fernando Cruz
Dramaturgia: Fernando Cruz e atuadores
Atuadores: Fran Corona, Moreno Mourão, Renderson Valentin, Fernando Cruz e Ariela Barreto
Pesquisa: Patrícia Rodrigues
Alegoria: Lício Castro
Cenografia: Zéduardo Calegari Paulino
Figurino: Ramona Rodrigues
Preparação corpo em cena: Breno Moroni
Produtora e contra - regra: Ana Capilé
Vídeo e foto: Diogo Gonçalves- Ateliê Passarinho
Designe gráfico: Maira Espíndola 
Assessoria de Imprensa: Carol Alencar Cozzati
Duração 50 min. /Classificação livre

Espetáculo na integra



Fotos: Amazônia Encena na Rua




CONTOS DA CANTUÁRIA
“...Eu vou pra Maracangalha eu vou...” cantando assim pelas ruas e cortejando a cidade, este ano, o Teatro Imaginário Maracangalha   completa 10 anos de trabalho continuado.
Ao longo de sua trajetória, construiu um expressivo repertório de espetáculos e intervenções, fazendo da rua seu espaço de pesquisa, atuação política e estética.
 Preparando sua tradicional mostra de repertório que acontece em agosto, mês em que comemora seu aniversário, o grupo inicia o ano remontando e apresentando o espetáculo “Conto da Cantuária”.
O espetáculo estreou em 2009 com os atuadores Isac zampieri, Telma Cordeiro, Aniela Paes, em 2011 com Lika Rodrigues, Emanuel Mayer e em 2014 com Pietro Lara, Renderson Valentim e Kassia Rosa.
Na montagem atual o elenco é composto pelos atuadores Renderson Valentim, Fran Corona, Moreno Mourão e Fernando Cruz que atua e assina a direção da peça.
 O “Conto da Cantuária” em um longo processo de pesquisa, tornou-se elemento de pesquisa do grupo, conquistando público, prêmios, vários anos de circulação e uma pesquisa científica.
A peça teatral “Conto da Cantuária” é uma adaptação da obra Contos de Canterbury escrita pelo autor inglês Geoffrey Chaucer no período de 1384 - 1400, em plena idade média.
O texto crítico e humorado é constituído de 29 contos e o grupo optou pela montagem do “Conto do vendedor de indulgências”, que retrata de forma farsesca e ácida o comércio das religiões e as corrupções em nome de deus, do dinheiro e da ambição, traçando um paralelo com os dias atuais.
Ao remontar o espetáculo, o Teatro imaginário Maracangalha mantém seu processo de pesquisa continuado e afirma a identidade do grupo que opta pelo teatro de rua, debatendo temas, ideias, formas e meios estéticos que vá de encontro a realidade dos trabalhadores, transeuntes das ruas dos centros e periferias da cidade, fazendo arte pública, sem fronteiras. 

Direção: Fernando Cruz
Atuadores: Fran Corona, Moreno Mourão, Renderson Valentim, Fernando Cruz
Cenografia: Fernando Cruz
Figurino: O grupo
Fotografia: Diogo Gonçalves – Ateliê Passarinho


Espetáculo na íntegra




http://www.pontaodeculturaguaicuru.org.br/agenda/pontoes/id/166





AMAR É

Lika Rodrigues e Fernando Cruz, em "Amar é" - Foto de Ana Capilé


Lika Rodrigues e Fernando Cruz, em "Amar é" - Foto de Ana Capilé