quinta-feira, 23 de novembro de 2017

TEKOHA na 1ª Feira Estadual da Reforma Agrária

🎭 #VemPraFeira assistir ao espetáculo “Tekoha: Ritual de Vida e Morte do Deus Pequeno”

Apresentado pelo Teatro Imaginário Maracangalha, o espetáculo narra a trajetória do líder guarani Marçal de Souza e sua resistência histórica na luta pela terra e direitos dos povos indígenas. A palavra que dá nome ao espetáculo, Tekoha, tem um significado peculiar. “Teko” significa modo de estar, sistema, lei, hábito, costume. Tekoha, assim, refere-se à terra tradicional, ao espaço de pertencimento da cultura guarani.

O grupo se apresenta na sexta-feira (24), às 17h, na Praça Ary Coelho, em Campo Grande – MS, durante a 1º Feira Estadual da Reforma Agrária.

Não perca 

TEKOHA 
Ritual de Vida e Morte do Deus Pequeno
O espetáculo narra a trajetória do líder guarani Marçal de Souza e sua resistência histórica na luta pela terra e direitos dos povos indígenas. A palavra que dá nome ao espetáculo, Tekoha, tem um significado peculiar. “Teko” significa modo de estar, sistema, lei, hábito, costume. Tekoha, assim, refere-se à terra tradicional, ao espaço de pertencimento da cultura guarani. É no Tekoha que os guaranis vivem seu modo de ser. O Teatro Imaginário Maracangalha faz da rua a representação tão sagrado aos guaranis.

Direção: Fernando Cruz
Dramaturgia: Fernando Cruz e atuadores
Atuadores: Fran Corona, Moreno Mourão, Renderson Valentin, Fernando Cruz e Ariela Barreto
Pesquisa: Patrícia Rodrigues
Alegoria: Lício Castro
Cenografia: Zéduardo Calegari Paulino
Figurino: Ramona Rodrigues
Preparação corpo em cena: Breno Moroni
Produtora e contra - regra: Ana Capilé
Foto: Danilo Vieira - FIT Rio Preto 2017
Designe gráfico: Maira Espíndola 
Assessoria de Imprensa: Carol Alencar Cozzati
Duração 50 min. /Classificação livre







terça-feira, 21 de novembro de 2017

ARTE CONTRA A IMPUNIDADE


Marçal de Souza, ou Marçal Tupã-i, ou ainda Tupã-Y - Pequeno Deus. Nasceu em Rincão Júlio, na região de Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul, Brasil, no dia 24 de dezembro de 1920. Marçal foi um líder da etnia guarani-nhandevá que lutou pela demarcação das terras indígenas no Brasil.  
Foi assassinado no dia 25 de novembro de 1983. Os fazendeiros assassinos nunca foram punidos .

"A IMPUNIDADE É MAIS DOLOROSA QUE A MORTE!"
MARÇAL VIVE!


TEKOHA 
Ritual de Vida e Morte do Deus Pequeno
O espetáculo narra a trajetória do líder guarani Marçal de Souza e sua resistência histórica na luta pela terra e direitos dos povos indígenas. A palavra que dá nome ao espetáculo, Tekoha, tem um significado peculiar. “Teko” significa modo de estar, sistema, lei, hábito, costume. Tekoha, assim, refere-se à terra tradicional, ao espaço de pertencimento da cultura guarani. É no Tekoha que os guaranis vivem seu modo de ser. O Teatro Imaginário Maracangalha faz da rua a representação tão sagrado aos guaranis.

Direção: Fernando Cruz
Dramaturgia: Fernando Cruz e atuadores
Atuadores: Fran Corona, Moreno Mourão, Renderson Valentin, Fernando Cruz e Ariela Barreto
Pesquisa: Patrícia Rodrigues
Alegoria: Lício Castro
Cenografia: Zéduardo Calegari Paulino
Figurino: Ramona Rodrigues
Preparação corpo em cena: Breno Moroni
Produtora e contra - regra: Ana Capilé
Foto: Danilo Vieira - FIT Rio Preto 2017
Designe gráfico: Maira Espíndola 
Assessoria de Imprensa: Carol Alencar Cozzati
Duração 50 min. /Classificação livre

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

SAROBÁ BOCA QUENTE




SAROBÁ É BOCA QUENTE já dizia o poeta Lobivar Matos (1917-1945) ao retratar o Sarobá bairro de negros em Corumbá. Aquela realidade não mudou muito, vivemos em tempos de exceção, censura e repressão, mas a Arte fala mais alto assim como o poeta. E com nossas bocas bem abertas e quentes, cantamos, denunciamos, gozamos e lutamos incessantemente.

Dessa vez vai ser na Antiga Rodoviária, retrato do abandono e da ausência do Estado, porem, lugar também habitado por moradores da cidade, gente. Acreditamos que o direito a cidade é viável e estamos aí para isso mesmo, transformar, somar, construir derrubando paredes e muros erguendo outro mundo possível.
Nessa empreitada contamos com a participação dos Artes educadores do MS, do Brasil e do mundo que estarão em Campo Grande para a XXVII CONFAEB, V Congresso Internacional de Arte educadores, II Seminário Estadual de Cultura e Educação de Mato Grosso do Sul.
A programação do Sarobá Boca Quente conta com: Elinho do Bandoneon, CanaRoots, Falange da Rina, ArduaRA, Forro PVC, Coletivo Clandestino de Teatro (Dourados/MS) e muito mais... Acompanhe, divulgue, compartilhe... nossa divulgação maior é boca a boca > Boca Quente.

EVOÈ!


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

AREÔTORARE na RUA

Teatro Imaginário Maracangalha
apresenta:
AREÔTORARE
Espetáculo de rua em Cortejo Cenopoético

Terça-feira - 07/11 às 21:00 Feira do São Chico

Sábado - 11/11 às 20:00 feira da Vila Jacy

CORTEJO CENOPOÉTICO

AREÔTORARE


O espetáculo ceno-poético de rua revisita as obras "Areôtorare" (1935) e "Sarobá" (1936) do escritor modernista Lobivar Matos, nascido em Corumbá (MS), aborda as relações humanas e sociais do seu tempo. Desta forma, questões como desigualdade, preconceito e desenvolvimento econômico são desveladas sob a ótica dos trabalhadores, índios e negros que até hoje "refletem os anseios, as revoltas, as durezas amargas da época e do meio em que vivem" (MATOS, L.).



Ficha técnica
Direção e dramaturgia: Fernando Cruz
Texto: Poemas das obras "Areôtorare e Sarobá" de Lobivar Matos
Encenação: Fernando Cruz e o grupo
Elenco: Fran Corona, Fernando Cruz, Ariela Barreto, Moreno Mourão, Paulo Augusto, Pepa Quadrini e Renderson Valentim
Pesquisa: Salim Haqsan, Fernando Cruz e Rogéria Castro Costa
Preparação e Direção musical: Jonas Feliz
Preparação Vocal: Maria Cláudia
Adereços: Patrícia Rodrigues e Lício Castro
Figurino: o grupo | Costuraria: Maria Viveiros
Assessoria de Imprensa: Brasa Comunicação
Produção: Ana Capilé

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

AREÔTORARE na FliSesc Corumbá

CORTEJO CEMOPOÉTICO
AREÔTORARE

O espetáculo ceno-poético de rua revisita as obras "Areôtorare" (1935) e "Sarobá" (1936) do escritor modernista Lobivar Matos, nascido em Corumbá (MS), aborda as relações humanas e sociais do seu tempo. Desta forma, questões como desigualdade, preconceito e desenvolvimento econômico são desveladas sob a ótica dos trabalhadores, índios e negros que até hoje "refletem os anseios, as revoltas, as durezas amargas da época e do meio em que vivem" (MATOS, L.).

Ficha técnica
Direção e dramaturgia: Fernando Cruz  
Texto: Poemas das obras "Areôtorare e Sarobá" de Lobivar Matos  
Encenação: Fernando Cruz e o grupo  
Elenco: Fran Corona, Fernando Cruz, Ariela Barreto, Moreno Mourão, Paulo Augusto, Pepa Quadrini e Renderson Valentim  
Pesquisa: Salim Haqsan, Fernando Cruz e Rogéria Castro Costa  
Preparação e Direção musical: Jonas Feliz 
Preparação Vocal: Maria Cláudia  
Adereços: Patrícia Rodrigues e Lício Castro  
Figurino: o grupo | Costuraria: Maria Viveiros  
Assessoria de Imprensa: Brasa Comunicação  
Produção: Ana Capilé


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

SEGREDOS DO CASCUDO


O Teatro Imaginário Maracangalha orgulhosamente apresenta: Segredos do Cascudo

O grupo dá mais um passo em seu processo de pesquisa continuado a partir da obra Cidades Invisíveis de Ítalo Calvino. Estamos a quatro anos pesquisando as narrativas orais dos trabalhadores que vivem no trecho entre a Esplanada Ferroviária até o córrego Segredo no Cascudo hoje chamado de São Francisco. 


Através dessa pesquisa dramatúrgica complexa e sensível damos relevo a vida de trabalhadores que perdem seus espaços dia a dia mas ainda tem voz, pois não são e não serão invisíveis.Nossos trabalhadores tem voz e continuam firmes na linha e na luta!
Venham conhecer as primeiras estações dessa viagem...

As apresentações acontecem dentro da programação do I Seminário Nacional de Memória e Preservação do Patrimônio Ferroviário, a ser realizado na Esplanada Ferroviária entre os dias 28 e 29 de setembro de 2017, na cidade de Campo Grande MS.
Dia 28 - 09:30 - I Estação 
17:30 - II Estação 
Dia 29 -09:00 III Estação
19:00 IV Estação